Máquinas de cartão de crédito e débito: o que saber antes de ter uma

As maquininhas de cartão podem ser muito úteis para o crescimento do seu negócio. Veja o que você precisa saber antes de ter uma!

Em um negócio, principalmente em lojas e demais estabelecimentos comerciais, ter mais de uma forma de pagamento é essencial para ter vários clientes. Atualmente, quando a maioria das pessoas fazem seus pagamentos com cartão de débito e crédito, enquanto algumas nem andam mais com dinheiro no bolso, ter uma maquininha de cartão é fundamental para aumentar as vendas.

No Brasil, já existem diversas opções de maquininhas no mercado, variando entre os modelos mais simples e básicos, até os mais desenvolvidos e avançados, que fazem outras coisas além de só passar o cartão, como auxiliar o vendedor no gerenciamento do seu negócio.

Se você está pensando em ter uma máquina de cartão de débito e crédito no seu negócio, seja ele em um espaço fixo ou não, saiba que é preciso analisar alguns fatores antes para fazer uma boa escolha e não acabar tendo prejuízo. Veja agora tudo o que você precisa saber e considerar antes de comprar a sua maquininha.

O que saber antes de ter uma máquina de cartão de crédito e débito

Embora essas maquininhas sejam excelentes para que seus clientes paguem suas compras no cartão de débito ou de crédito, o equipamento errado pode atrapalhar o andamento do negócio. Isso porque os empreendedores devem pagar um valor pela maquininha, além das taxas que incidem sobre os valores vendidos. E, se o valor a ser pago não tiver muita diferença com o faturamento mensal, isso pode ser um problema. A Konkero organizou 10 itens para você analisar antes de escolher a sua maquininha. Confira!

1. Faturamento da sua empresa

O passo 1 é considerar o seu faturamento mensal. Se você vende pouco no mês, pense em maquininhas mais básicas, que são mais  baratas. Assim, você expande a sua clientela, aumentando as vendas, para depois pensar em máquinas mais desenvolvidas, que são mais úteis em negócios maiores e com um volume mais intenso de vendas.

2. Comprar ou alugar

As máquinas de cartão podem ser compradas ou alugadas, a depender da empresa fornecedora. O aluguel é indicado para negócios temporários e pode oferecer condições especiais, como descontos no caso de o vendedor atingir determinado limite de vendas no mês. Já a compra é para vendedores que querer ter o seu próprio equipamento por um longo tempo, sem ter que pagar aluguel durante a utilização.

Sendo assim, é bom verificar a estabilidade do seu negócio. Se você pretende usar a maquininha apenas por um tempo, a indicação é alugar. Porém, se o seu negócio já está estabelecido, você pode comprar a máquina, pagar o seu preço – que pode ser parcelado ou à vista – e, depois que acabar de pagar, continuar usando a maquininha sem pagar nada por isso.

3. Valor a pagar

Além de decidir entre alugar e comprar a máquina de cartão, é de suma importância que você saiba quanto está pagando por ela. Normalmente, as empresas que vendem as maquininhas permitem que os seus clientes façam o pagamento em até 12 vezes, semelhante a um aluguel. A diferença, nesse caso, é que, enquanto o aluguel deve ser pago mês a mês até o fim do contrato, o pagamento parcelado da compra acaba e a maquininha continua com o vendedor.

Portanto, é fundamental que você saiba quanto deverá desembolsar no mês para bancar a maquininha no seu negócio, independente de ter comprado ou alugado.

4. Taxas aplicadas

Outro valor que sairá do seu bolso e que você deve saber é o das taxas aplicadas sobre os valores vendidos. A cada venda efetuada, o vendedor fica com a maior parte, porém, deve pagar à empresa que forneceu a maquininha uma taxa, que pode ser maior ou menor, a depender do modo de pagamento: débito ou crédito.

Geralmente, as taxas do crédito são mais altas do que as do débito, principalmente se a compra for parcelada. Vale saber que o tempo de recebimento – outro item que deve ser considerado na escolha da maquininha – também influencia na taxa aplicada. Por isso, não deixe de verificar quais são as taxas cobradas.

No mercado, é possível encontrar maquininhas com taxas a partir de 1,88% por venda feita no débito, e a partir de 1,89% por venda feita no crédito. Veja quais as maquininhas que têm as menores taxas!

5. Tempo de recebimento

Influenciando nas taxas aplicadas nas vendas, o tempo de recebimento pode variar de poucos minutos até mais de 30 dias, de acordo com a empresa fornecedora da maquininha. Antes de comprar o seu aparelho, saiba quanto tempo terá que esperar para receber efetivamente os valores que foram passados na máquina de cartão, ao mesmo tempo em que analisa se as taxas são condizentes com o seu faturamento mensal.

Você pode receber na mesma hora, em 1 dia útil, em 14 dias, ou em 30 dias, como é possível escolher na maioria das maquininhas disponíveis no mercado. Caso faça vendas parceladas, atente-se ao prazo de recebimento das parcelas; pode acontecer de você recebê-las todas de uma vez, ou ter que esperar a cada 30 dias para receber uma.

6. Bandeiras aceitas

Não esqueça de saber quais as bandeiras aceitas pela maquininha. É ideal que ela aceite as principais, como a MasterCard, Visa, Elo, Hipercard, entre outras. Confirme, ainda, se cartões de benefícios, como vale-refeição e vale-alimentação, também são aceitos, o que, com certeza, faz diferença no número total de vendas.

7. Conexão

É fundamental que você saiba qual a conexão da maquininha e como ela irá funcionar, para que você realize as suas vendas com tranquilidade. Alguns modelos têm conexão via Bluetooth, precisando do celular para conseguir funcionar e finalizar uma venda. Outros têm espaço para chip e já vêm com plano de dados, usando a rede móvel para funcionar. Há ainda outros que se conectam ao Wi-Fi, possibilitando uma conexão mais rápida, na maioria das vezes, permitindo o aumento de vendas por hora.

8. Tempo de bateria

Atente-se ao tempo de bateria da maquininha antes de comprá-la, para não correr o risco de ficar sem o equipamento no meio do dia e perder algumas vendas. Saiba qual o tempo de duração da bateria, tendo consciência de quanto tempo ela pode ficar ligada no negócio e se você precisa levar o carregador com você, caso o seu negócio não seja em um estabelecimento físico.

9. Comprovantes de compras

Saiba também qual a maneira da maquininha de disponibilizar os comprovantes das compras para os seus clientes. Alguns modelos possibilitam o envio do comprovante por SMS ou e-mail, enquanto outros, que possuem bobinas, imprimem esses documentos.

De qualquer forma, o seu cliente terá o comprovante da transição. No entanto, a diferença é que, em modelos que não fazem a impressão, basta ter o número de celular ou o e-mail do cliente para entregar-lhe o comprovante, enquanto os modelos que imprimem precisam de bobinas para realizar as impressões, ou seja, quando acabar a bobina que vem com a máquina, você terá que comprar outras.

10. Vantagens e desvantagens

Por fim, busque saber quais as vantagens e desvantagens de cada modelo que te interessou, sabendo quais os pontos fortes e que te ajudarão nas suas vendas, e também, os pontos fracos, que não necessariamente podem atrapalhar, mas não ajudar tanto assim. Procure os diferenciais de cada maquininha, considerando o seu ramo de atuação, o tamanho do seu negócio e o nível de importância de determinada função oferecida pelo equipamento para a sua atividade.

Veja também!



Solicite seu empréstimo

Siga-nos nas redes sociais

Copyright © 2020 Konkero. Todos os direitos reservados.

Regras de uso do site Política de privacidade
Google Safe Secured SSL