Negocie suas dívidas em 6 passos

Conhecer suas contas e procurar o credor são algumas atitudes importantes de como negociar as dívidas com os bancos. Saiba o que fazer!

Para negociar as suas dívidas, é essencial que você se organize financeiramente, buscando saber quais são os seus gastos e o quanto você pode pagar por mês para quitar a dívida, ao mesmo tempo em que não prejudica o seu orçamento mensal. Confira seis passos sugeridos pelo coordenador do Núcleo de Superendividamento do PROCON-SP, Diógenes Donizete, para negociar tudo que você deve!

O passo a passo para negociar as dívidas

1. Conheça seus gastos

Para negociar suas dívidas, primeiro é preciso saber quais são os seus gastos mensais. Por isso, anote quanto dinheiro entra na sua conta e separe as despesas essenciais daquelas que podem ser cortadas. Assim, você sabe qual a sua situação financeira, quanto dinheiro consegue poupar e quanto é possível separar para pagar essa dívida.

2. Separe os comprovantes de renda

“Pegue as últimas faturas do cartão, o extrato da conta corrente com o limite do cheque especial ou as cópias do contrato”, aconselha Diógenes. Caso você tente fazer a negociação presencialmente, é importante levar esses papéis junto com você para comprovar suas condições de pagamento.

3. Entre em contato com o banco credor

Você pode ligar para o autoatendimento do banco,  ir até a agência ou acessar o internet banking para negociar as dívidas. O ideal é tentar levantar os valores e propostas de uma eventual negociação por telefone ou pela internet. Assim, você não perde tempo e pode avaliar a proposta com calma.

4. Tenha soluções em mente

Ao conversar com o seu credor, seja honesto e exponha sua real situação financeira, indicando quanto pode pagar. Sugira alternativas que mostrem ao banco que você está disposto a quitar a dívida. Para isso, você pode propor uma diminuição de juros, um aumento no número de parcelas ou o pagamento de um valor à vista para que as outras mensalidades caibam no seu bolso, como uma entrada.

5. Analise com cuidado a proposta de negociação que receber do banco

Não aceite o novo valor sem pensar a respeito. Ouça com atenção e veja se você pode pagar a dívida nas novas condições. “Não adianta fazer um acordo, pagar uma ou duas parcelas, e voltar a ser inadimplente”, diz o coordenador do PROCON-SP. E mais: assine o papel apenas quando tiver certeza que a nova proposta cabe no seu bolso, isso porque ele é válido como uma nova dívida.

Outro ponto importante é que o banco não é obrigado a fazer diferentes propostas. Isso vai depender muito da dívida, do momento do banco, etc. O importante é você tentar ver o máximo de possibilidades que o banco oferece.

6. Feche a melhor proposta de negociação com o banco

Depois de seguir todos os passos e sendo possível o novo acordo para quitar a dívida, chegou a hora de fechar o negócio. Neste momento, é importante se certificar de todos os detalhes do acordo como os valores, datas de vencimento, entre outras informações, para não ter surpresas.

Troque dívidas caras por uma mais barata! Com juros a partir de 0,84% ao mês, o refinanciamento de imóvel da Creditas está entre as melhores alternativas do mercado. Solicite a sua proposta clicando aqui.

Receba ajuda!

Órgãos de defesa do consumidor podem ajudar nesta negociação. O PROCON-SP, por exemplo, oferece um serviço de orientação, planejamento financeiro e apoio na reunião da negociação. Clique para saber mais.

A importância de negociar

Quanto mais tempo você leva para negociar um valor que está em aberto, maior este valor fica. A cada dia que passa, juros incidem sobre a quantia, fazendo com que ela se multiplique rapidamente. Assim, o quanto antes a negociação for feita, mais fácil fica fazer o pagamento.

Grande parte dos bancos ou instituições bancárias possuem setores focados em negociar dívidas com os clientes. Esses canais geralmente funcionam por telefone, online, e até de forma presencial. Por isso, é uma boa alternativa consultar o setor de negociações do seu banco para informar as dificuldades de pagamento.

Algumas pessoas tendem a deixar a dívida prescrever, mas isso não é um bom negócio. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), quando o seu nome vai parar em empresas como Serasa e Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), ele deverá ser limpo automaticamente após cinco anos. Porém, o valor que você deve ainda não foi pago, ou seja, a empresa pode continuar cobrando por essa dívida.

Além disso, durante este período, a dificuldade para pegar qualquer tipo de crédito fica muito maior. Isso porque as empresas credoras dificilmente emprestam ou financiam para quem está negativado. Até é possível conseguir um empréstimo pessoal estando com o nome sujo, porém, a taxa de juros é bem mais alta do que nos outros casos.

Veja também!



Solicite seu empréstimo

Siga-nos nas redes sociais

Copyright © 2020 Konkero. Todos os direitos reservados.

Regras de uso do site Política de privacidade
Google Safe Secured SSL